15/12/2010 - E-consumidor terá cartilha para fazer compras

O comércio eletrônico brasileiro cresce a passos largos desde 2002 e deve atingir faturamento de R$ 15 bilhões, em R$ 2010. O crescimento do poder aquisitivo das classes C e D somado ao crescente número de e-consumidores tornou necessário o desenvolvimento de uma cartilha para o consumidor on-line. Com diversos comitês setoriais, a camara-e.net - Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico está sempre discutindo as necessidades do comércio eletrônico brasileiro e, baseada na percepção de que muitos internautas não conhecem todas as ferramentas disponíveis para realizar uma boa compra na internet, foi criada a cartilha virtual da camara-e.net.
"Percebemos que grande parte dos comentários dos e-consumidores vinham em forma de dúvidas muito simples sobre a utilização do comércio eletrônico. Todos estes questionamentos foram abordados na cartilha de forma didática e neutra", disse Leonardo Palhares, coordenador do comitê jurídico da camara-e.net.
Na cartilha, o internauta pode fazer o passo-a-passo de uma compra segura, começando pelo computador onde efetuará a compra, que deve sempre estar com seu antivírus atualizado. "Algumas pessoas possuem internet sem fio em casa e não colocam senha, deixando seu computador completamente vulnerável a uma possível invasão".
Durante a navegação na cartilha, o e-consumidor poderá passar o mouse sobre "etiquetas" vermelhas que exibem explicações sobre pontos como: central de atendimento, preço, descrição técnica, selos de segurança, entre outras. O endereço da cartilha na internet é: www.camara-e.net/cartilha e-Natal - A camara-e.net espera um forte crescimento do comércio eletrônico neste Natal, que deve registrar crescimento da ordem de 40% no e-comércio. "O faturamento das vendas on-line do segmento do e-varejo deve superar R$ 15 bilhões em 2010 e a previsão de crescimento para o último trimestre é de R$ 3,3 bilhões", prevê Manuel Matos, presidente da camara-e.net, acrescentando que o número de e-consumidores também deve crescer em 2010, passando de 17 milhões, em 2009, para 23 milhões neste ano.
Levando em consideração que existe variação de um determinado tipo de loja para outra, o Natal representa, aproximadamente, 16% das vendas de todo o ano. Desta forma, para suportar este crescimento sazonal, os e-varejistas devem prever este forte impacto na demanda negociando com seus fornecedores, escolhendo um mix adequado de produtos, condições de venda com ofertas e descontos e, principalmente, preparando uma infra-estrutura de tecnologia para suportar o tráfego de visitas e fechamento de pedidos em sua loja. "Um ponto crucial é o processo de logística na entrega dos produtos, pois o e-varejista deve garantir a chegada da mercadoria no tempo devido".

 

Fonte: Monitor Mercantil


Voltar